sexta-feira, dezembro 02, 2005

Homenagem à Bondade Pública

Ontem esqueci-me das luzes do carro acesas e, uma hora depois, naturalmente o carro estava com a bateria descarregada. Não houve problema porque telefonei a um amigo meu, o David, que me foi safar com cabos de bateria, mas como ele ainda demorou uns 40 minutos a chegar ao sítio onde eu estava, pude apreciar devidamente a bondade dos transeuntes de Lisboa.
Eu estava numa rua de pouco movimento, mas ainda assim, passaram por mim uns 20 carros e talvez umas 10-15 pessoas a pé, eu estava ao lado do carro e o carro tinha o capôt aberto. Adivinhem quantas pessoas se deram ao trabalho de me perguntar se eu precisava de ajuda?
Exactamente zero! Aliás, algumas até olhavam de lado como se eu estivesse ali a prejudicar o bem estar delas.

Realmente eu não precisava de ajuda. Mas será que sou só eu que costumo perguntar às pessoas se precisam de ajuda quando as vejo com problemas no carro? Será que custa assim tanto abrir um pedacito o vidro do carro e verificar se a pessoa está enrrascada?
Eu sei que hoje em dia toda a gente tem assistência automóvel, e telemóvel para pedir ajuda, mas ainda assim...
...ainda bem que os lisboetas são umas criaturas assim bondosas e preocupadas com o próximo.

11 comentários:

Lótus Azul disse...

Homenagem aos Cavalheiros: Outro dia furei o pneu do carro numa rua bastante movimentada. Como nunca mudei um pneu, liguei ao pai do Principe para me vir dar uma "aulinha". Ele chegou passados 15 minutos, que era o tempo que demoravado sítio onde estava. Não pedi ajuda a ninguém. Limitei-me a ficar de pé ao lado do carro a olhar para o pneu completamente em baixo. Quando o pai do Príncipe chegou estavam 7 homens à volta do meu carro e o pneu trocado. E atenção: Eu não sou loura, alta, espadaúda, 86-60-86.

Pedro disse...

Tb nunca percebi essa obsseção por louras, altas e espadaudas...

Essa é uma das grandes verdades das estradas portuguesas!
Um homem ao lado de um carro avariado é, no minimo, um frouxo, incapaz de reparar o carro, e possivelmente até um bandido a usar o desfarce do carro para caçar um tolo qualquer. Já uma mulher é, naturalmente, uma donzela em perigo e vêm logo homens às dezenas para a safar (pelo menos 7, pelos vistos!).

Mas repara, eu nem esperaria que alguém me ajudasse (nem precisava!), só fiquei danado foi por nem sequer se darem ao trabalho de perguntarem, como eu já fiz várias vezes, inclusive a dois putos com ar de pertencerem a um gang em plena Chelas City.

Acho triste o caminho por onde está a ir a nossa sociedade...

Paulo disse...

ó lótus, também não admira. são mesmo precisos 7 homens para mudar um pneu...

pedro, não fico surpreendido por ninguém te ter ajudado. fico supreendido sim é por ninguém ter aproveitado para te assaltar ou coisa parecida...

Zorze disse...

meu caro, isso nada tem a ver com lisboetas ou com problemas de carro; há uns anos um gajo apontou-me uma arma e toda a gente fugiu do cenário - vê lá que só me coloquei naquela posição porque fui ajudar um amigo que já tinha apanhado vários murros na cara; ninguém ajuda ninguém neste mundo; ninguém dá nada a ninguém; acho que o Paulo tem razão: tiveste sorte é de não teres sido assaltado!!!

Pedro disse...

Só se me levassem a roupa...
Não tinha um tusto cominho e o carro não andava, para poderem fugir com ele!

E ainda sei um golpe ou 2 de Aikido! Quantos são, quantos são?

Gemini disse...

Se calhar estavas com má pinta e tiveram medo de ti: talvez fosse só uma armadilha para raptares uma criancinha ou assim...

Filipe disse...

Acho mal isso de ajudarem as donzelas a mudarem pneus e coisas afins. Assim, só ajudamos a selecção natural a beneficiar comportamentos 'à la Barbie'.
Se um gajo quer mesmo ajudar uma destas donzelas deveria ficar ao lado do carro a dar as instruções de como mudar o pneu. Assim a "donzela" tinha uma instrução qualificada e podia praticar no mesmo instante. Promoviamos deste modo o desenvolvimento das suas estruturas cognitivas e a sua destreza manual.
E já que estava de joelhos podia agradecer a educação prestada.... trazendo uma Frize.

Gemini disse...

PARABÉNS PETER!
Muitas prendas, dia feliz, sem trabalho ou, pelo menos, com bons resultados. Espero também que descubras hoje muita bondade pública (principalmente feminina)!
Abraço

Lótus Azul disse...

PEDRO, como cresceste rapaz!

Muitos, Muitos, montes, toneladas, litradas (qual é a unidade de medida dos parabéns?) de Parabéns, e já agora beijinhos, assim só numa de bondade feminina...

E agora, dedico-te uma musiquinha para te alegrar o dia:

Atirei o pau ao gatu-tu
Mas o gatu-tu
Não morreu-eu-eu
Dona Xica-ca
Assustou-se-se
Com o berro
com o berro qu'e gato deu...

MIAUUUUUUUUUUUUUUUU!

Paulo disse...

parabéns!! e diverte-te

Pedro disse...

Muito obrigado, muito obrigado! Mais um passo no caminho do degredo no lar de 3ª idade...