sábado, dezembro 31, 2011

2012


Conturbado desde o seu início, 2011 acaba hoje sem deixar saudades a quase ninguém. Na Europa foi a crise, no Japão o terramoto e tsunami, seguidos daquela é não só uma das mais graves crises nucleares, mas também claramente uma das mais escamoteadas pelos respectivos governantes. Em África, entre secas brutais, fome e guerra encontramos o cintilar de esperança de uma Primavera Árabe que na maioria dos países não parece estar a sobreviver às agruras do Inverno seguinte.
Muita graças à governação dos lideres europeus e norte-americanos, o mundo deu em 2011 passos largos no sentido de se tornar mais desigual, mais injusto e menos democrático. Os governos de extrema-direita que controlam hoje a maioria dos países europeus conseguiram convencer os seus povos que é errado viver com dignidade, que isso está acima das nossas possibilidades, e que está certo tirar dinheiro aos pobres para o dar aos ultra-ricos.
A esperança, essa, foi-nos repetidamente roubada, ao ponto de hoje muitas pessoas se interrogarem porque motivo hão de celebrar esta passagem de ano quando já está anunciado de antemão que 2012 será pior...

Não podemos cair nesta conversa da treta. Não podemos acreditar que não existem alternativas e que o único caminho possível é o pior. Vejamos os exemplos de vários dos países emergentes, onde é o crescimento de uma nova classe média que estimula as economias, vejamos até o exemplo dos Estados Unidos, onde o consumo interno estimulou a economia para acabar o ano em terreno positivo. A única esperança é tomar medidas decisivas para transferir de forma massiva o dinheiro que está perdido nos cofres sem fundo dos grandes investidores e devolve-lo ao povo, a quem ele pertence. Cada euro oferecido aos bancos é um euro deitado fora. Cada vez que permitimos aos nossos (pseudo-)governantes assaltarem o povo para ajudarem os seus mandantes - os grandes empresários, os banqueiros e os investidores sem escrúpulos - estamos a cravar mais um prego no caixão da nossa sociedade, da nossa democracia, em ultima análise da nossa Liberdade.

Por isso eu acredito que 2012 vai ser melhor, porque acredito que vai ser o ano em que os povos deste mundo vão começar a dar a volta ao texto e a recuperar o controlo do mundo e das suas vidas. O exemplo foi-nos já dado por tunisinos, sírios e egípcios, mas ficaram também patentes as dificuldades imensas que a mudança implica. Mas não podemos esquecer que nós somos muitos e eles são poucos. Em 2012, o mundo começará a girar de novo na direcção certa. Isto é algo em que acredito! Bom 2012!

quinta-feira, dezembro 29, 2011

Birding Innuendo in Brazil - III

On the previous chapter we got a first glimpse at some of the common birds you can find in an urban area in SE Brazil and in the surrounding rural areas. Today I will continue to report on my trip, which will now take us from the inland city of Campinas to the beautiful island of Ilha Bela, on the coast of São Paulo state.

En route to the coast
Ilha Bela is roughly 250 km (and a short ferry ride) away from Campinas. On the road you cross a landscape where the few remaining small patches of Atlantic forest are interwoven with agricultural grasslands, pastures and plantations. Although a fast moving car is not an ideal setting for bird-watching, I kept my eyes open, and a couple of stops at roadside gas stations or restaurants offered some chances to see the local avifauna.
My first sighting of the day was the southern lapwing Vanellus chilensis, a very common wader on agricultural grasslands. Later, I found my first saffron finch Sicalis flaveola during a short rest-stop, an unmistakable bird with its bright yellow plumage and orangey face. The trip offered two other spectacular birds: the fork-tailed flycatcher Tyrannus savana, with its impossibly long tail streamers; and one of the very symbols of Brazil, the toco toucan Ramphastos toco. The toco toucan is the largest of all toucan species, at 55-65 cm long. They are relatively common in most of Brazil, but never really abundant, so you are likely to see these birds while travelling around the country, but you can never really predict where you will see one. The flight silhouette of these birds seems odd at best, the wings seem to be placed too far back in their body and the bill resembles a large banana stuck on their forehead!

Fork-tailed flycatcher Tyrannus savana (photo from wikipedia.org)
Ilha Bela
I spent three days in Ilha Bela. Although I did spend most of my time basking in the sun on one of its beautiful beaches, I did keep my eyes open for birds. The island is basically a mountain that emerges from the ocean, so that only a small strip along the coast in flat enough to be populated, while the rest of the island is only accessible by dirt tracks and mostly covered with tropical forests. From the beaches you can easily spot brown boobies Sula leucogaster, neotropical cormorants Phalacrocorax brasilianus and the ever-present magnificent frigatebird Fregata magnificens, and I have to say it was a big surprise to find that the frigatebirds often form mixed flocks with black vultures, using the same ascending air currents to hover effortlessly in search of food. The other surprise was to find that unlike on the shores of Europe or North America, gulls are not common on this part of South America. In fact, it took me two days until I found my first kelp gull Larus dominicanus. Along the shores of the island it is also easy to find snowy egrets Egretta thula and, with a bit more luck, spotted sandpipers Actitis macularius. I actually spotted my first and only spotted sandpiper while kayaking along a rocky inlet.
The local beaches are also an excellent spot to identify the various swifts and swallows that occur on the island, including the southern rough-winged swallow Stelgidopteryx ruficollis, the grey-breasted martin Progne chalybea, the brown-chested martin Progne tapera, the sooty swift Cypseloides fumigatus and also the rather cosmopolitan bank swallow Riparia riparia.

Magnificent frigatebird Fregata magnificens (photo from waatp.nl)
Walking along the forest edge, or even on the streets of the local villages, I managed to add several more species to my list. Open grassy areas will often have a few masked water-tyrants Fluvicola nengeta, desperately displaying to impress potential mates, and the luxuriant trees offer a perfect setting to find bananaquits Coereba flaveola, white-eyed parakeets Aratinga leucophtalmus and yellow-lored tody-flycatchers Todirostrum poliocephalum. Along the roads and dirt tracks, while walking from one village to the next I found rufous-bellied thrushes Turdus rufiventris, which I later found to be one of the most common species throughout the trip. This was also the case with the beautiful and vocal tropical kingbird Tyrannus melancholicus. It was also on the side of a road that I spotted my first double-collared seedeater Sporophila caerulescens, a tinny bird with a striking bi-coloured plumage. On the main square of the town of Ilha Bela I had my best sighting of the maroon-bellied parakeet Pyrrhura frontalis, with their yellow-scaled chest, brown belly and white eye-ring.
Finally, I have to talk about hummingbirds. These birds are absolutely extraordinary, both because of their amazing colours, there unique way of flying and their extreme adaptation to their nectar-feeding way of living. However, I found them a very hard challenge for someone while virtually no experience in identifying these tinny and super-fast birds. Despite these difficulties I eventually managed to identify two species, both while laying on a hammock in front of my hostel. First I spotted a black jacobin Florisuga fusca, which is easily identified by its dark colour and white flank... that is when you finally manage to find it with your binoculars! It took me much longer to identify my second hummer, the fork-tailed woodnymph Thalurania furcata. One of the reasons why it took me so long was because Ilha Bela is outside the "official" breeding range of this species, which according to the books is not supposed to occur along the eastern coast of Brazil. So I only settled on my final identification as a fork-tailed woodnymph when I was absolutely sure that it not only had a clearly fork-tailed and green upper body, but also that it had a blue chest and green back, and no hint of blue or violet on its cap, thus discriminating this bird from the two other woodnymphs that occur in Brazil.

Fork-tailed woodnymph Thalurania furcata (photo from oiseaux.net)
This was about it for my time in Ilha Bela. On the next chapter of my Birding Innuendo in Brazil we will travel inland to try and find some birds in and around the historic colonial towns of Minas Gerais and their natural surroundings.

terça-feira, dezembro 27, 2011

Birding Innuendo in Brasil - II

In the first chapter I covered some of the basics of preparing your trip to Brazil, now I will start to go over my personal experience of birding in Brazil when not birding, during my recent visit to the country.

Campinas
The main goal of my trip to Brazil was to attend the wedding of two Brazilian friends who live in Campinas, about 100 km north-west of São Paulo, so this was the starting point to my trip. If, like me, you are unexperinced with South American birds, even a little walk inside a large urban area like Campinas may reward you with some novelties. Some of your first sightings will probably be the omnipresent black vulture Coragyps atratus and the very vocal great kiskadee Pitangus sulphuratus. Be on the lookout for the tinny Columbina doves, the most common is the ruddy ground-dove Columbina talpacotii, easily identified by its grey head contrasting with the brown back with black stripes, but an alert observer may spot a couple other species among the mixed flocks, as we will discuss in later chapters. Of course, much to my disappointment, the two most abundant species in Campinas were the house sparrow Passer domesticus and the rock pigeon Columba livia. I had a nice surprise when I found out that burrowing owls Athene cunicularia can be easily spotted during the day in open grassy areas inside the city.

Ruddy ground-dove Columbina talpacotii (photo from ttnaturelink.com)
While spending a day at my friends country house I had the chance to look at birds in a rural area, where I quickly spotted grey-rumped swifts Chaetura cinereiventris, rufous horneros Furnarius rufus and rufous-collared sparrows Zonotrichia capensis with their typical striped head pattern. Even easier to spot than the rufous hornero is its nest, a large hoven-like structure made of mud and clay, often placed on top of telephone or electrial posts. The area was also full of raptors and, although the most abundant was still the black vulture, it was relatively easy to find the exuberant southern caracara Caracara plancus and the beautifull yellow-headed caracara Milvago chimachima with its unmistakable creamy body and black eye-stripe. I was lucky to have three aplomado falcons Falco femuralis land on a tree right next to me, giving me a great chance to see them at close range. Ground doves were also common here, but I was better impressed with the picazuro pigeon Patagioenas picazuro with its typicall wing pattern. The parrots are also common, both in the city and in the rural areas around it, but I found they are very hard to identify because of their very fast flight and tendency to land in the tree-tops where they are hidden by the rich tropical foliage. Eventually I managed to spot one that was landed in an open area and could identify it as a peach-fronted parakeet Aratinga aurea due to its orange forehead and lime-green belly.

Yellow-headed caracara Milvago chimachima (photo from avesderapinabrasil.com) 
Here ends chapter two of this Birding Innuendo in Brazil. On the next chapter we will continue our visit to Brazil with the trip to Ilha Bela, in the coast of São Paulo state. Both the trip and the time spent in Ilha Bela were an excellent opportunity to get to know a few more Brazilian birds.

domingo, dezembro 25, 2011

Piscares de Olho - LXIX

Para o piscar de olho de hoje, não vou cair na tentação de procurar um tema natalício e vou antes voltar a um tema já repetido antes, Alhambra, o fabuloso monumento mourisco de Granada. Um dos ex libris daquele espaço, e uma das formas favoritas de tornar um espaço mais aprazível por parte da nobreza árabe, são os lagos e as águas correntes. Num dia bonito, os reflexos das águas frescas e aprazíveis dão facilmente origem a bonitos temas para fotografar, como a destes arcos, num dos lagos no interiores de Alhambra, com algumas carpas em primeiro plano para recordar que estamos a apenas a fotografar água, nada mais!

quarta-feira, dezembro 21, 2011

Birding Innuendo in Brasil - I


I recently had the opportunity to visit south-eastern Brazil. Although the main goal of my trip was not birding, even during the normal activities of visiting friends and family and touring the normal tourist attractions, there were plenty of chances to get in touch with the unbelievably rich Brazilian avifauna. 
I decided to make a small innuendo to the usual topics of my blog, and write up what you could call a small guide, or report, on birding in Brazil when you are not birding. These posts will be in English, in order to reach a wider audience.

So, to start. Things to do before you travel to Brazil. 
1) I have found that Brazil is not really as dangerous and full of crime as the media sometimes makes it sound. Yes they do have a high crime rate, and violent crime is a serious social issue, but crime is mostly limited to the larger cities, and even there it is mostly circumspect to the "problematic" neighbourhoods. Having said this, it might be a good idea to leave your best binoculars at home and bring along a cheaper pair. Of course you loose optical quality and this will limit your ability to identify birds but, as I said in the beginning, I am not writing about a birding trip to Brazil, but of how you can turn a regular trip into a satisfying birding opportunity. The same logic applies to cameras and/or camcorders.

2) Of course you will need a bird guide to help you sieve through the over 1.800 bird specie that have  beenreported in Brazil. I searched the web for good guides and most people seem to agree that the best are:

"Birds of Southern South America and Antarctica" by Martin de la Peña and co-authors
"Birds of South America" (2 volumes) by Robert S. Ridgely
"A Field Guide to the Birds of Brazil" by Ber van Perlo.

I decided to buy the third one, and found it quite satisfactory. The books is surprisingly compact, considering the number of species it covers, and has very good illustrations and species accounts. Of course, when covering such a wide range of species, the information has to be limited, and it would sometimes be nice to have more information. Also, although generally good, some illustrations were not absolutely accurate and these cause me some difficulties on identifying a couple of species. Still, overall I can recommend A Field guide to the Birds of Brazil as an excellent companion for you trip.


3) As I mention before, we are talking about a country that holds one of the most diverse avifaunas in the world. There have been reported over 1.800 species, belonging to 95 families. These represent nearly 20% of all bird species and 50% of all avian families. This means that, unless you are already very familiar with the birds of South America, when you start trying to identify birds in Brazil you wont even know on each part of the guide to look. The book I recommend as a very useful feature, in the beginning of the book the author summarises the main families and groups, with an illustration of a representative member of each group. This may help guide you to the section of the book where you might find the bird you found in the field. Even so, I recommend that you take the time to study your field guide and try to get a notion of the main families and groups, as well as checking in advance which species are more likely to be found in the part of the country you will visit. During my trip I only visited 3 states in south-eastern Brazil: São Paulo, Minas Gerais and Rio de Janeiro, but even so, just during the austral summer there were nearly 700 potential species.

4) Beside studying your birds, you should also study the places you will visit. Any travel guide can give a wealth of information on many different places in Brazil, and may give some pointers on places where you may go for a quick bird-watching break, without changing your initial travel plans. For instance, and if you are in Rio de Janeiro it may be a good idea to visit the magnificent local Botanical Garden. There are many such guides, I used the DK guide to Brazil, but am sure that many others will serve the same purpose.


On the next chapter, I will start to describe my experience of birding in Brazil when not birding. In two weeks I identified 90 species, of which 80 where new to my life list!

domingo, dezembro 18, 2011

Piscares de Olho - LXVIII

Talvez por terem sangue-frio, os répteis são muitas vezes alvo da repulsa e do nojo das pessoas. Na verdade, têm muito mais em comum connosco do que imaginaríamos. Tal como nós, gostam de se deitar ao sol e de aproveitar o astro-rei para aquecer os seus corpos. Esta simpática lagartixa apanhava sol numa das paredes de Alhambra, o grandioso monumento mourisco localizado em Granada. Achei piada à diferença de texturas no fundo, quebradas pela silhueta escura do réptil. Espero que tenham gostado também!

domingo, dezembro 11, 2011

Piscares de Olho - LXVII

O piscar de olho de hoje leva-nos até à capital da Catalunha, Barcelona. Não confundir com uma qualquer cidade espanhola! Barcelona é muito popular entre os turistas, seja pela sua arquitectura, pelas suas praias, pelo permanente ambiente de festa ou pela cultura única. Quem desce a Rambla, avenida quintessencial da cidade, encontra certo ponto, do seu lado direito, o Mercat de Sant Josep de la Boqueria, habitualmente conhecido simplesmente como La Boqueria. Quem entra fica geralmente impressionado com o colorido das frutas e vegetais, com a diversidade de peixe e marisco ou com os deliciosos sumos feitos na altura. Vale a pena uma visita pelo colorido, mas convém ir lá ao final da tarde, altura em que os vendedores baixam os preços na ânsia de vender os seus produtos!

domingo, dezembro 04, 2011

Piscares de Olho - LXVI

Os holandeses são um povo frio e amorfo. Diria até inerte. Contudo, tudo isso muda no Koninginnedag, o "dia da rainha". Nesse dia os holandeses deixam tudo o que é sisudo e cinzento em casa e vêm para as ruas, pintados de cor-de-laranja, celebrar o aniversário da rainha. Curiosamente, esse dia, 30 de Abril, não é o dia de aniversário da rainha Beatrix, actual monarca da Holanda. Esta rainha faz anos a 31 de Janeiro, uma época do ano demasiado fria para celebrar o que quer que seja nas ruas. Felizmente, os holandeses além de frios e cinzentos são também pragmáticos. A anterior rainha, Juliana, fazia anos a 30 de Abril e quando a velha monarca faleceu e a sua filha subiu ao trono, em vez de mudarem o dia da rainha para o frio e húmido Janeiro, os holandeses decidiram que o aniversário da rainha é quando o homem quer e não quando a rainha nasce. Decidiram continuar a aproveitar a rainha como desculpa para encherem as ruas de festa, música, álcool e cor-de-laranja, e por uma vez no ano esquecerem que são o povo mais trombudo da Europa!

sábado, dezembro 03, 2011

Bye bye Tugolândia, Brasil aqui vamos nós!

Este ano a minha prenda de anos não podia ser melhor, chegou o dia e cá vou eu a caminho de duas semanas e meia no país irmão, que é no fundo um irmão maior e mais feliz de Portugal! O que Portugal merecia é que eu não voltasse, mas infelizmente a viagem de regresso está marcada para dia 19...
Assim sendo, este blog fica por umas semanas em águas de bacalhau... ou talvez desse dizer em águas mornas e leite de coco!

quarta-feira, novembro 30, 2011

Desorçamentando...

Em homenagem a este belo orçamento, que marca não o início do fim da crise, como dizia o Álvaro, mas antes o início do fim da economia portuguesa. Parabéns, acho que nem mesmo o governo do Santana Flopes tinha conseguido fazer tanto estrago em apenas 6 meses!

domingo, novembro 27, 2011

Piscares de Olho - LXV

Estes piscares de olho já várias vezes nos levaram até à Islândia, essa magnífica ilha à beira do círculo polar Árctico. Hoje mostro-vos uma estrada... talvez devesse dizer antes a Estrada, pois trata-se da Hringvegur, a estrada número 1 da Islândia, percurso mítico que circunda toda a nação num percurso de 1339 km. No efémero verão setentrional, a estrada é ladeada por lindíssimas paisagens verdejantes que se misturam com a rocha ígnea que o gelo e o fogo esculpiram em forma de país. Quando estive na Islândia, tive apenas oportunidade de percorrer uma pequena porção da estrada, no canto noroeste da ilha, mas tenho nos meus planos voltar um dia para percorrer todos os 1339 km com a calma e admiração que eles merecem!

sexta-feira, novembro 25, 2011

Ooh La La


Ontem ouvi esta música num filme e soou-me extremamente familiar, mas não sei de onde a conheço...
Procurei na internet e trata-se de "Ooh La La" pelos Faces, a antiga bando do Rod Stewart. Fica aqui a letra:


poor old Granddad, I laughed at all his words
I thought he was a bitter man
he spoke of women's ways
they'll trap you when they use you
before you even now
for love is blind and you're far to kind
don't ever let it show

I wish that I knew what I know now
when I was younger
I wish that I knew what I know now
when I was stronger

the can-can such a pretty show
will steal your heart away
but backstage back on earth again
the dressing rooms are grey
they come on strong and it ain't too long
for they make you feel a man
but love is blind and you soon will find
you're just a boy again

when you want her lips, you get her cheek
makes you wonder where you are
if you want some more then she's fast asleep
leaves you twinkling with the stars
poor young grandson there's nothing I can say
you'll have to learn, just like me
and that's the hardest way

ooh la la
ooh la la, la la, yeah

I wish that I knew what I know now
when I was younger
I wish that I knew what I know now
when I was stronger

quinta-feira, novembro 24, 2011

Mãos ao ar, isto é um assalto... da Lego

Na semana passada, dirigi-me a uma loja de produtos para bebés para comprar uma prenda para a filha recém-nascida de uma pessoa conhecida. Depois de passar por um sem fim de roupas, utilitários e brinquedos, a preços absurdamente inflacionados, lá foi escolhida a prenda e segui para a caixa para pagar. Enquanto fazia o pagamento, passei os olhos pelos produtos expostos junto à caixa e dei com uma pequena caixa da Lego, que incluía dois polícias, uma moto-4 da polícia e um assaltante.
Pois vejam bem como a Lego anda em cima dos acontecimentos: o assaltante traz também uma caixa multibanco e um pé de cabra para forçar o dito multibanco! Parece uma cena tirada das notícias do dia!
Andei à procura de uma imagem do referido conjunto da Lego, mas não encontrei, encontrei antes um outro conjunto, chamado "assalto ao banco" que aqui apresento. Parece que a Lego já percebeu bem para onde se encaminha o nosso país e começou já a preparar as novas gerações para o que será brevemente a única forma de garantir sustento em Portugal...

domingo, novembro 20, 2011

Piscares de Olho - LXIV

"Havia um pessegueiro na ilha...", cantava Rui Veloso no seu tema imortal. Na verdade, parece que nunca lá existiu nenhuma árvore. Aliás, numa pequena ilha costeira, fustigada pelos ventos e pelo mar salgado, dificilmente existiriam as condições necessárias para crescer algo maior que um arbusto, quanto mais um pessegueiro. Dizem os entendidos que a Ilha do Pessegueiro obteve o seu nome por evolução do termo latino "piscatorius", estando relacionado com a pesca que se realizava por lá e à salga desse peixe para exportação por todo o Império Romano.
Localizada junto a Porto Covo, na costa sudoeste de Portugal, a Ilha do Pessegueiro é um dos tesouros da nossa costa e não é difícil obter umas belas fotos, como esta que tirei num passeio pela zona em 2005.

sábado, novembro 19, 2011

Corvina com laranja

Não pretendo ser nenhum ás na cozinha, mas até um certo jeito. Tenho alguma capacidade para acertar instintivamente quando experimento coisas novas. Ontem tínhamos comprado umas postas de corvina no Pingo Doce, para aproveitar uma promoção, e hoje na praça compramos umas laranjas muito sumarentas. Enquanto trazia as laranjas para casa vinha já a magicar como juntar as duas coisas. De alguma forma, a ideia de juntar laranjas e peixe num prato soava-me bem.
Para não meter muita água, procurei na net eventuais receitas de corvina com laranja e de facto encontrei 2 ou 3, mas não gostei especialmente de nenhuma, umas porque implicavam fritar o peixe, um verdadeiro sacrilégio quando estamos na posse de uma posta fresca de corvina do alto, ou só usavam a casca das laranjas, quando eu queria usar o sumo. Decidi fazer uma versão mista de várias receitas e ver o que acontecia:

Comecei por espremer o sumo de duas laranjas. Depois, refoguei uma cebola pequena, picada, juntamente com a casca de uma das laranjas e com uma folha de louro. Depois de deixar a cebola alourar, retirei parte das cascas, deixando apenas dois pedaços e coloquei sobre a cebola duas postas de corvina que tinham previamente sido temperadas com sal, pimenta e sumo de meio limão. Deixei o peixe apanhar um pouco de cor, só dois ou três minutos e depois verti o sumo das laranjas sobre o peixe. Depois o peixe foi cozinhando no sumo de laranja, talvez durante uns 20-25 minutos, até me parecer bem cozinhado.
Foi acompanhado com um arroz com tomate, pimentos e alguns camarões que tinham sobrado de uma refeição anterior.

O peixe ficou delicioso. O sabor da laranja misturou-se na perfeição com o gosto do peixe fresco. Adorei! Recomendo vivamente...

terça-feira, novembro 15, 2011

Brazil, aqui vamos nós!

Depois de passar um serão a planear em detalhe a viagem ao Brasil, finalmente começa a parecer verdade. Como dizem os amaricanos: t minus 18 days!

domingo, novembro 13, 2011

Piscares de Olho - LXIII

Paris é conhecida mundialmente como a cidade das luzes. Aliás, é nesse aspecto pouco original pois copia claramente o muito mais grandioso, imponente e intemporal Estádio da Luz. Mas piadolas à parte, a quando da minha visita a Paris, em Novembro de 2008, fiquei realmente maravilhado com a beleza da cidade. Dando o devido desconto de não conhecer todas as capitais europeias, faltando-me nomeadamente Berlim e Moscovo entre as mais famosas, achei Paris a mais imponente e majestosa das cidades europeis que conheci. Aliás, retirando-lhe essa praga que são os franceses e a língua abichanada deles, Paris justificaria, muito mais do que Bruxelas, a localização do actual centro político da Europa. Aqui na fotografia está o Hotel des Invalides, na verdade um antigo hospital que acolheu os feridos de guerra do tempo do rei Luís XIV, visto do alto da Torre Eiffel ao anoitecer. Uma ilha de luz na noite da cidade das luzes.

segunda-feira, novembro 07, 2011

Até o padre vê...

Quem me conhece sabe bem que eu não sou grande fã de padres, bispos, cardeais e criaturas afins. Aliás, tenho quase a certeza que o mundo seria um lugar infinitamente melhor se a humanidade tivesse evitado por completo esse infeliz parêntesis das grandes religiões mundiais. Dito isto, também gosto de dar louvor a quem merece, seja quem seja e independentemente do seu quadrante político, religioso ou social. É por isso que gostaria de citar aqui uma frase do cardeal Dionigi Tettamanzi, antigo arcebispo de Milão e figura de topo da hierarquia católica, que resume em poucas palavras a razão e causa da crise mundial em que vivemos:

"Uma finança que se vê como um fim a si mesma e que vive como um absoluto, não só rompe a relação que deve haver com a economia e com o desenvolvimento, mas acaba por mortificar ainda mais o desenvolvimento económico"

Não é estranho que até um padre veja isto como evidente e a grande maioria dos economistas não perceba este facto óbvio dos nossos dias?

domingo, novembro 06, 2011

Piscares de Olho - LXII

O guincho Larus ridibundus é uma das espécies de gaivota mais comuns na Europa. Mais pequeno do que as gaivotas marinhas que geralmente associamos aos portos e praias, o guincho está mais associado a zonas estuarinas, áreas agrícolas e a zonas húmidas interiores. Tirei esta fotografia na Polónia, na costa do Báltico, como a poderia ter tirado aqui mesmo em Portugal e gostei do efeito da ave junto à rebentação calma do Mar Báltico. Trata-se de um indivíduo em plumagem de Inverno, no Verão teria a cabeça completamente preta, e parece esperar que a próxima onda lhe traga a refeição...

sexta-feira, novembro 04, 2011

Matic vs. Tintin

Já alguém reparou que o jogador sérvio Nemaja Matic, actualmente ao serviço do Benfica, é a cara chapada do Tintin?
A sério, na imagem que encontrei dele (ainda do tempo em que representava o Chelsea) a semelhança nem é tão grande como na realidade, mas espreitem um jogo do Benfica e vejam a cara dele com atenção. A única diferença é na altura, o Tintin era um bocado mais baixote, mas isso pode ter sido erro do Hergé. Eu suspeito que o Matic é mesmo o Tintin e que quando não está a batalhar pela posse de bola no meio campo do Glorioso anda pelo mundo a lutar contra malfeitores na companhia do Capitão Haddock, do professor Girassol e dos gémeos Dupond e Dupont.

domingo, outubro 30, 2011

Piscares de Olho - LXI

Conhecida como a cidade berço, por ter sido o local do nascimento do nosso primeiro monarca D. Afonso Henriques, a cidade de Guimarães perdeu o título de capital do Minho para Braga, mas não deixou por isso de ser uma cidade lindíssima. Conhecida sobretudo pelo seu castelo, Guimarães tem também um centro histórico muito agradável, de que são exemplo estas casas na Praça de S. Tiago.

sexta-feira, outubro 28, 2011

Liberdade...


Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer !
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D.Sebastião,
Quer venha ou não !

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

Mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa

domingo, outubro 23, 2011

Piscares de Olho - LX

Quis o acaso que o piscar de olho de hoje continuasse na mesma área geográfica do anterior. Apanhei este belo pôr-do-Sol em Guejar, bem perto da cidade de Granada. Este vale fica nas serras que sombreiam Granada a este, fazendo já parte dos contrafortes da Serra Nevada. Calhou a data da minha visita coincidir com a altura do ano em que o sol poente se alinha na perfeição com esta pequena albufeira, dando assim origem a este agradável piscar de olho. A nuvem solitária sobre a serra também contribuiu para a composição!

quarta-feira, outubro 19, 2011

A razão porque me chovia em cima!

Nos já ido ano de 1999, a banda escocesa Travis editou a Música "Why does it always rain on me?. Esta música fazia parte do album "The Man Who" e durante algum tempo passou com frequencia nas rádios e na MTV. Sim, na MTV, nesse tempo eles ainda passavam música a sério...
A música ficava no ouvido e por vezes dava comigo a cantarola-la na rua. O mais curisoso é que a música parecia ter o dom de, tal como cantava o refrão, fazer com que chovesse sobre mim. De cada vez que eu cantarolava a música, começa mesmo a chover...

Em memória desses tempos, aqui fica a música e a letra:



I can't sleep tonight
Everybody's saying that it's alright
Still I can't close my eyes
I'm seeing a tunnel at the end of all these lights

Sunny days
Where have you gone?
I get the strangest feeling
You belong

Why does it always rain on me?
Is it because I lied when I was seventeen?
Why does it always rain on me?
Even when the sun is shining
I can't avoid the lightning

I can't stand myself
I'm being held up by an invisible man
Still life on a shelf when
I got my mind on something else

Sunny days
Oh, where have you gone?
I get the strangest feeling
You belong

Why does it always rain on me?
Is it because I lied when I was seventeen?
Why does it always rain on me?
Even when the sun is shining
I can't avoid the lightning

Oh, where did the blue skies go?
And why is it raining so cold?
It's so cold

I can't sleep tonight
Everybody saying that it's alright
Still I can't close my eyes
I'm seeing a tunnel at the end of all these lights

Sunny days
Oh, where have you gone?
I get the strangest feeling
You belong

Why does it always rain on me?
Is it because I lied when I was seventeen?
Why does it always rain on me?
Even when the sun is shining
I can't avoid the lightning

Oh, where did the blue skies go?
Why is it raining so cold?
So cold

Why does it always rain on me?
Is it because I lied when I was seventeen?
Why does it always rain on me?
Even when the sun is shining
I can't avoid the lightning

Why does it always rain on me?
Why does it always rain on?
Ohh

terça-feira, outubro 18, 2011

The Big Year

Um filme a não percer pelos fanáticos do birdwatching! O filme retracta a competição, por vezes obsessiva, de três observadores de aves que procuram, durante um ano, ver o máximo número possível de espécies de aves em solo americano. Tem a participação de três actores bem conhecidos do público, o experiente Steve Martin e os mais jovens Jack Black e Owen Wilson e recebeu no geral críticas não muito boas pelos cinéfilos, mas bem melhores por parte dos passarólogos!

segunda-feira, outubro 17, 2011

Migração

O beija-flor-ruivo é uma pequena ave norte-america. Esta espécie reproduz-se desde o Alasca até ao norte da Califórnia e inverna no sul do México. Considerando o seu diminuto tamanho, com apenas 7-9 cm de comprimento e um peso máximo de 5 g, trata-se provavelmente da espécie que realiza a maior viagem migratória proporcionalmente ao seu tamanho.
As populações que se reproduzem mais a norte, no Alasca, viajam mais de 6200 km até às áreas de invernada no México, o que corresponde a cerca de 78 milhões de vezes o tamanho da ave. Uma proeza digna dos records do Guiness!

domingo, outubro 16, 2011

Landslide


I took my love and took it down
I climbed a mountain, I turned around
And I saw my reflection in a snow covered hill
'til a landslide brought it down

Oh, mirror in the sky, what is love?
Can the child within my heart rise above?
Can I sail through the changing ocean tides?
Can I handle the seasons of my life?

Well, I've been afraid of changing cause I've
Built my life around you
Time makes you bolder
Even children get older
And I'm getting older, too
I'm getting older, too

I took my love and took it down
I climbed a mountain, I turned around
And if you see my reflection in the snow covered hill
The landslide brought it down
The landslide brought it down

Piscares de Olho - LIX

Esta não é a primeira vez que os piscares de olho nos levam até Granada, mas a cidade espanhola, na sua quase perfeita fusão daquilo que de mais belo produziram as culturas muçulmanas e católicas que por lá se misturaram, é um alvo perfeito para o fotografo amador. Neste caso, apanhei o efeito da sombra de um candeeiro ricamente decorado, nas paredes quase sempre coloridas do casco urbano. A sombra, no seu tom escuro misturado com o rosa forte da parede, parece desenhar de forma mais minuciosa ainda do que o real os intrincados enfeites do ferro forjado. Acho que já o referi aqui antes, mas posso dizê-lo novamente, Granada, com a sua fabulosa Alhambra, é possivelmente a cidade espanhola mais merecedora de uma visita.

sexta-feira, outubro 14, 2011

A verdade da mentira

No ano de 2010 a bolsa de Lisboa movimentou cerca de 42 mil milhões de euros em negociatas bolsistas. Ao contrário das outras actividades económicas, estas transacções são virtualmente livres de impostos. Se o estado estabelece-se um pequeno imposto de apenas 10% sobre estas transacções obteria um resultado bruto de 4200 milhões de euros, o que chegava que para cobrir 140% dos tais 3000 milhões que o governo diz que tem de cobrir com a austeridade do orçamento para 2012. Assim se vê de maneira fácil e eficaz que a "necessidade" da austeridade é uma pura mentira. E pior, quem anuncia a austeridade sabe perfeitamente que mente e que só vai agravar a crise. Para quando a revolução?

quarta-feira, outubro 12, 2011

A Noite Estrelada

A Noite Estrelada (no original holandês De sterrennacht), é um dos mais famosos quadros do grande pintor impressionista Vincent van Gogh. O quadro representa a paisagem nocturna no exterior do asilo em Saint-Rémy-de-Provence, onde o pintor estava internado devido aos seus problemas psiquiátricos que acabaram por o levar ao suicídio. É notável que o quadro foi pintado inteiramente de memória, uma vez que do interior do asilo o pintor não tinha acesso à paisagem que aqui pintou.
Pintado em 1888, este quadro fez parte de um conjunto de obras incluídas no seu "Estudo da Noite". Na altura, o pintor tinha 33 anos e passava por uma das várias crises de ansiedade e depressão que o assolaram ao longo da vida. Conhecido tanto pelo seu génio artistico como pelos seus problemas graves de saúde, Van Gogh era um artista extremamente exigente, raramente se mostrando satisfeito com as suas obras. D' A Noite Estrelada teria dito que lhe faltava individualidade e sentimento.
Van Gogh viria a falecer dois anos depois, em 1890, vindo a ser aclamado como um dos maiores, talvez o maior dos impressionistas, sendo ainda hoje um dos grandes vultos da pintura mundial. Quanto ao quadro, faz, desde 1941, parte da exposição permanente do Museum of Modern Art (MoMA) de Nova Iorque, tendo um valor absolutamente incalculável.

domingo, outubro 09, 2011

Piscares de Olho - LVIII


O piscar de olho de hoje apanhou um interessante grafiti que embelezava a entrada de um prédio em Nova Iorque. O desenho representa a debandada do povo americano para oeste, durante a grande depressão dos anos 30. Infelizmente, na grande depressão que vivemos hoje, não existe nenhum oeste para onde fugir, nem para americanos nem para europeus... são as consequências óbvias de um mundo globalizado, e cada vez mais nivelado, mas nivelado por baixo, com desigualdades crescentes entre ricos e pobres, com cada vez maior injustiça social, e com o poder a cair cada vez mais nas lideranças financeiras e não nos poderes políticos nomeados democraticamente pelo povo.

terça-feira, outubro 04, 2011

FMI sofre...

Se nem os portugueses percebem a Madeira, como poderia o senhor FMI perceber? Vá beba lá mais uma cerveja e aproveite ponha-se a andar daqui para fora!

segunda-feira, outubro 03, 2011

As sangrias e outras falácias

Por Paul Krugman (in New York Times, 18/09/2011):

Sangria em 1860, uma das 3 únicas fotografias conhecidas do procedimento – Foto da wikipedia
Sangria em 1860, uma das 3 únicas fotografias conhecidas do procedimento – Foto da wikipedia

Os médicos chegaram a acreditar que pela retirada do sangue dos pacientes poderiam purgar os “humores” diabólicos que, pensavam eles, eram causadores das doenças. Na realidade, é claro, tudo o que a sangria fazia era tornar o paciente mais fraco e com maior chance de sucumbir.

Felizmente, os médicos já não acreditam que sangrar os doentes vai torná-los saudáveis. Infelizmente, muitos dos que fazem a política económica ainda acreditam. E a sangria económica não está apenas a infligir vastas dores; está a começar a minar as nossas perspectivas económicas de longo prazo.

Algumas informações: no último ano e meio, o discurso político, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, tem sido dominado por pedidos de austeridade fiscal. Ao cortar os gastos e reduzir os défices, disseram-nos, as nações poderiam restaurar a confiança e promover o renascimento económico.

E a austeridade tem sido real. Na Europa, nações com problemas como a Grécia e a Irlanda, impuseram cortes selvagens, enquanto nações mais fortes impuseram programas mais suaves de austeridade. Nos Estados Unidos, o modesto estímulo federal de 2009 extinguiu-se, enquanto governos estaduais e locais cortaram os seus orçamentos, de forma que no conjunto tivemos de facto um movimento em direção à austeridade não muito diferente do da Europa.

O estranho, no entanto, é que a confiança na economia não aumentou. De tal forma que empresas e consumidores parecem muito mais preocupados com a falta de clientes e de empregos, respectivamente, do que se sentem seguros com o rigor fiscal dos seus governos. E o crescimento parece que se afoga, enquanto o desemprego permanece desastrosamente alto dos dois lados do Atlântico.

Mas, dizem os apologistas dos resultados ruins obtidos até agora, não deveríamos focar-nos no longo prazo em vez do curto prazo? Na verdade, não: a economia precisa de ajuda real agora, não de recompensas hipotéticas dentro de uma década. De qualquer forma, os dados começam a emergir sugerindo que os problemas de “curto prazo” da economia — agora no seu quarto ano e tornados piores pelo foco na austeridade — estão a custar também às perspectivas de longo prazo.

Considerem, em particular, o que está a acontecer com a base manufactureira dos Estados Unidos. Em tempos normais, a capacidade industrial cresce de 2 a 3 por cento por ano. Mas, diante de uma economia persistentemente fraca, a indústria tem reduzido, não aumentado, a sua capacidade de produção. Agora, de acordo com estimativas do Banco Central [dos Estados Unidos], a capacidade está quase 5 por cento menor do que era em Dezembro de 2007.

O que isso significa é que, quando a economia real finalmente recuperar, vai enfrentar falta de capacidade e gargalos de produção muito mais cedo do que deveria. Ou seja, a economia fraca, que é parcialmente resultante dos cortes no orçamento, está causando danos futuros, além dos presentes.

Além disso, o declínio na capacidade de produção é apenas a primeira das más notícias. Cortes similares vão provavelmente acontecer no sector de serviços — na verdade, já podem estar em andamento. E com o desemprego de longo prazo no seu ponto mais alto desde a Grande Depressão, existe o risco real de que os desempregados vão ser considerados como não-empregáveis.

Ah, e o forte dos cortes em gastos públicos está a ser feito na educação. De alguma forma, demitir centenas de milhares de professores não parece ser uma boa forma de garantir o futuro.

Na verdade, quando se combina os crescentes indícios de que a austeridade fiscal está a reduzir as nossas perspectivas de futuro, com as taxas de juro bem baixas nos papéis da dívida dos Estados Unidos, é difícil evitar uma conclusão surpreendente: a austeridade pode ser contraproducente mesmo do ponto de vista puramente fiscal, já que crescimento menor no futuro significa menor recolha de impostos.

O que deveria estar a acontecer? A resposta é que precisamos de um grande empurrão para fazer a economia mover-se, não numa data futura, mas agora. No presente, precisamos de mais, não de menos gastos governamentais, apoiados por políticas agressivamente expansivas do Banco Central e das suas contrapartes fora dos Estados Unidos. E não são apenas economistas teimosos que estão a dizer isso; empresários como Eric Schmidt, do Google, estão a dizer a mesma coisa, e o mercado de acções, ao comprar dívida dos Estados Unidos a juros tão baixos, está para todos os efeitos a pedir uma política mais expansiva [do Banco Central].

Para ser justo, alguns formuladores da política parecem entender isso. O novo plano de emprego do presidente Obama é um passo no caminho certo, enquanto alguns membros do Banco Central americano e do Banco da Inglaterra — mas, infelizmente, não do Banco Central Europeu — têm sugerido políticas muito mais orientadas para o crescimento.

No entanto, realmente precisamos é convencer um número substancial de pessoas com poder político e influência de que elas gastaram o último ano e meio a ir na direcção errada, e que elas precisam fazer uma viragem de 180 graus.

Não vai ser fácil. Mas, até que se faça a viragem, a sangria — que está a tornar a nossa economia mais fraca agora, colocando o futuro, ao mesmo tempo, em risco — vai continuar.

domingo, outubro 02, 2011

Piscares de Olho - LVII

Por vezes, as imagens mais simples são as que melhores fotografias dão. Não sei se será o caso aqui, mas achei piada a esta marca deixada pela água que ao longo dos anos foi escorrendo desta tampa das águas tão, mas mesmo tão "Estado Novo"! Tirei a fotografia em Marvão, uma daquelas aldeias em que o tempo parece por vezes parado, mas a água, a essa imparável fonte de erosão que vai aos poucos moldando o planeta, deixou também por lá a sua marca!

domingo, setembro 25, 2011

Piscares de Olho - LVI

As gôndola são embarcações típicas da Lagoa de Veneza, em Itália. Pelas suas características de manobrabilidade e velocidade, foi, até a chegada dos meios motorizados, a embarcação veneziana mais adaptada ao transporte de pessoas, numa cidade como Veneza onde os canais foram sempre utilizados como a principal via de transporte. Hoje as gôndolas são sobretudo usadas para o turismo, atraindo milhares de turistas apesar do seu preço proibitivo. Este piscar de olho mostra-nos algumas gôndolas no Canal Maior de Veneza, sob as cores incertas do céu de final de dia. Foi tirado em Setembro de 2009.

quinta-feira, setembro 22, 2011

Escolhas


Esta pequena reflexão não é original, nem trás nada de novo ao tema, mas continua a ser algo que me ultrapassa. Não compreendo porque aceitamos este retrocesso, porque aceitamos voltar ao tempo do feudalismo... bem, mas talvez seja melhor explicar primeiro de que estou a falar!

Eis a simples questão. Aquilo que o actual governo, e que para todos os efeitos os últimos 3 ou 4 governos da república nos têm para nos oferecer é algo que se resume a isto: pagar mais impostos por menos serviços. A taxa fiscal tem subido em flecha, para compensar determinados gastos, que, nos dizem eles agora, estão para lá das nossas possibilidades. Para corrigir as contas cortam nos serviços que nos são devidos e que são o motivo para existir um "estado", sobretudo a educação, a saúde, a justiça e a segurança, quer física, quer sócio-económica. Ou seja, caminhamos a passos largos para um sistema em que pagamos muito mais impostos, para receber muito menos, ou nenhuns, serviços em troca.
Impõe-se então a questão. Nestes moldes, para que serve o estado? Para que andamos nós a pagar impostos? Na Idade Média, nos tempos das sociedades feudais, os poderosos exigiam pagamento de impostos porque sim, inventando várias desculpas, geralmente ligadas a um pretenso direito divino de dominar os seus inferiores. Gastavam esse dinheiro para se rodearam de luxos e riquezas, ou para estourar em guerras contra os seus rivais de estimação. Mas o mundo evoluiu e surgiu o conceito de contracto social. O povo paga impostos, para receber em troca serviços prestados pelo estado.
Agra veja-mos a nossa situação. As grandes empresas que prestavam serviços básicos, como a água, a energia ou as telecomunicações estão a ser uma a uma vendidas a privados. A educação e a saúde são cada vez mais um luxo para quem é rico, e a própria justiça é cada vez mais cara. Os nossos impostos não são gastos nem para melhor equipar as forças de segurança, nem para garantir melhor segurança social para quem dela necessita. Resumidamente, parece-me que voltamos ao feudalismo medieval, mas com um pequeno twist, agora damos dinheiro ao estado, para ele o oferecer ao banqueiros e às grandes empresas, para os seus donos e gestores se rodearem de luxos e riquezas, e para armarem as suas guerrinhas uns com os outros.
Ora a solução parece óbvia. Aliás, acidentalmente a Bélgica tem vindo a testar essa solução, com resultados muito positivos. Acabe-se com o estado. Se não vamos receber serviços em troca, não vejo motivo para continuar-mos a pagar por eles.

Claro que a solução não é acabar com o estado, tal seria oferecer o país de mão beijada ao mais selvagens dos capitalistas. A solução é outra, livremo-nos deste estado. Do estado que não serve, mas apenas absorve. Expulse-mos os ultra-liberais e outras criaturas que como eles têm as mãos dos empresários tão enfiadas pelo cú acima que quase lhes sai um dedo ou dois pela boca. O que precisamos é de devolver o poder ao povo. Lembram-se? A tal democracia, o poder do povo, pelo povo e para o povo. Quanto mais depressa acabar-mos com a mama, quanto mais depressa tirarmos do poder aqueles que querem dar tudo aos que já têm tudo, quanto mais depressa voltar-mos a seguir o caminho da igualdade e da justa divisão da riqueza, menos dolorosa será a transição. Pois esta mudança é inevitável, a questão é se a faremos pacifica e racionalmente, ou se teremos de ver o mundo cair na selvajaria antes de voltarmos a viver em paz e prosperidade. É a escolha que nos assiste neste momento da História. Só temos de a fazer...

domingo, setembro 18, 2011

Madeira

Foi curioso ouvir, consecutivamente nas notícias, esses dois grandes "campeões da democracia" dos nossos tempos, Mahmoud Ahmadinejad e Alberto João Jardim. Se todas as agressões às liberdades e à justiça são graves, ainda assim, aquelas que são perpetradas no meu próprio país são-me mais incómodas, pelo que me preocupa mais o último grande fascista português e o que ele faz na Madeira do que as maluquices do presidente iraniano.

Sinceramente, ainda me preocupam mais as negociatas escabrosas que o Jardim tem feito na Madeira e como elas nos vão afectar a todos. Não que a democracia seja menos importante que as finanças, muito pelo contrário. Mas se os madeirenses querem democracia, vão ter de ser eles a lutar por ela, nós já fizemos um 25 de Abril no continente, não temos culpa que os madeirenses tenham preferido escolher democraticamente a continuação do fascismo no seu cantinho do país.

Já a parte económica é algo que nos vai afectar a todos. Numa altura em que a Alemanha deseja anciosamente destruir a Europa (mais uma vez), estas negociatas e aldrabices várias do senhor Jardim ameaçam destruir Portugal. Não estou a falar só no rombo imenso que ele fez nas nossas já debilitadas finanças, crimes aliás pelos quais eu sonho (não vou dizer espero pois conheço bem demais a ineficácia da justiça portuguesa no que toca a este tipo de crimes) que ele venha um dia a dar com os costados na prisão. Mais grave do que isso, este incidente ameaça a unidade nacional do nosso país.
Convém lembrar que Portugal é uma das nações mais antigas da Europa e uma das nações que há mais tempo têm as suas fronteiras e a sua integridade nacional bem definidas. Isto, como é óbvio, inclui as nossas regiões autónomas nos arquipélagos macaronésicos. No entanto, estas negociatas da Madeira fizeram vir ao de cima um sentimento, em tudo igual ao "vamos explusar a grécia da Europa" dos alemãos, que defende que a Madeira está a mais em Portugal, que talvez não devesse fazer parte do país, ou pelo menos deveriam ser os madeirenses sozinhos a pagar as aldrabices do senhor Alberto João. Não vou dizer que estas ideias não me pareçam atraentes, mas são absurdas no contexto de um país uno e bem definido como Portugal. Se começássemos pela Madeira o que se seguiria? Expulsar as Beiras por serem pouco produtivas? Expulsar o Algarve por ter demasiado desemprego? Já agora expulsar Lisboa por ter demasiados políticos!

Quando levamos os argumentos até ao seu limite absurdo, eles costumam cair por terra facilmente. Isto aplica-se na perfeição à questão da Grécia na Europa, ou da Madeira em Portugal. Se na Europa temos o problema das diferentes regras e leis aplicadas em diferentes países, problema que só poderá ser resolvido quando a Europa se decidir a avançar na direcção do federalismo, já em Portugal convém lembrar que a constituição é a mesma no continente ou na Madeira, que a justiça é a mesmo no continente ou na Madeira e que, em última análise, o governo é o mesmo no continente ou na Madeira, apesar dos detalhes da limitada autonomia das regiões autónomas.

Assim, se querem encontrar bodes expiatórios para o défice da Madeira, olhem para o seu primeiro responsável, o Alberto João Jardim, e levem-no perante a justiça da nação. Olhem para o governo português que lhe dá liberdade para fazer o que bem entende, olhem para os responsáveis da economia e das finanças do país que permitiram que a situação da Madeira chegasse a este ponto. Olhem, talvez acima de tudo, para a nossa justiça inoperante, que é incapaz de combater o crime financeiro, seja no continente, na Madeira ou nos Açores.
Assim, não culpem os madeirenses, não os culpem por escolherem maus governantes, pois tal é um crime em que todos nós os 10 milhões incorremos constantemente, e não pensem que começar a retalhar o país é a solução (infelizmente, o actual governo acha que vender o país a retalho é de acto uma boa solução, mas isso são outras guerras).

Piscares de Olho - LV

A cidade de Girona fica na Catalunha, entre Barcelona e a fronteira francesa. Conhecida pelo Museu Dali, que na verdade fica em Figueras, a poucos quilómetros de Girona, a cidade é atravessada pelo rio Onyar. O piscar de olho leva-nos até Girona, fotografando o clássico reflexo das coloridas casas de girona no leito calmo do rio Onyar. Não é muito original, na verdade é até o postal mais típico da cidade, mas esta foi tirada por mim, e por isso, como diria o António variações, "é cada da terra e tem muito encanto". Bom domingo a todos!

domingo, setembro 11, 2011

Piscares de Olho - LIV

O Parque Nacional da Peneda-Gerês é sem dúvida uma das maravilhas naturais de Portugal. Estive lá à pouco tempo, em Junho último, e tive oportunidade de tirar esta fotografia de uma das suas magníficas paisagens, esta na zona norte do parque, perto de Rouças. As melhores imagens são aquelas que valem mil palavras... é o que diz o ditado. A beleza desta região não necessita de palavras, e está ali mesmo à espera de uma visita!

domingo, setembro 04, 2011

Piscares de Olho - LIII

A cidade de Roma é conhecido pelas ruínas romanas, pelas sete colinas, pelas igrejas e fontes.... O património arquitectónico da capital italiana é infindável, mas existem outras coisas por lá para atrair um piscar de olho. Espreguiçando-se sobre pedras milenares, dormindo ao sol sobre ruínas que contam histórias de impérios e civilizações passadas, os gatos de Roma são outra das coisas a não perder na cidade eterna. Existem de todas as cores e feitios, mas talvez os mais frequentes sejam estes "Garfields" cor de laranja às riscas, por ali a dormir sobre um qualquer pedaço de história.

quarta-feira, agosto 31, 2011

A tese do coelhinho


Num dia lindo e ensolarado um coelho saiu da sua toca com o notebook e
pôs-se a trabalhar, bem concentrado. Pouco depois passou por ali uma
raposa e viu aquele suculento coelhinho tão distraído, que chegou a
salivar.
No entanto, ficou intrigada com a atividade do coelho e aproximou-se, curiosa:
- Coelhinho, o que estás a fazer aí, tão concentrado?
- Estou a redigir a minha tese de doutoramento - disse o coelho, sem
tirar os olhos do trabalho.
- Hummmm... e qual é o tema da tua tese?
- Ah, é uma teoria que prova que os coelhos são os verdadeiros
predadores naturais das raposas.
A raposa ficou indignada:
- Ora!!! Isso é ridículo!!! Nós é que somos os predadores dos coelhos!
- Absolutamente! Venha comigo à minha toca que eu mostro a minha prova
experimental.
O coelho e a raposa entram na toca. Poucos instantes depois ouvem-se
alguns ruídos indecifráveis, uns poucos grunhidos e depois silêncio.
Em seguida, o coelho volta, sozinho, e mais uma vez retoma os
trabalhos da sua tese, como se nada tivesse acontecido.
Meia hora depois passa um lobo. Ao ver o apetitoso coelhinho, tão distraído,
agradece mentalmente à cadeia alimentar por estar com o seu jantar garantido.
No entanto, o lobo também acha muito curioso um coelho trabalhando
naquela concentração toda. O lobo resolve então saber do que se trata
aquilo tudo, antes de devorar o coelhinho:
- Olá, jovem coelhinho! O que o faz trabalhar tão arduamente?
- A minha tese de doutoramento, senhor lobo. É uma teoria que venho a
desenvolver há algum tempo e que prova que nós, coelhos, somos os
grandes predadores naturais de vários animais carnívoros, inclusive
dos lobos.
O lobo não se conteve e farfalha de risos com a petulância do coelho.
- Ah, ah, ah, ah!!! Coelhinho! Apetitoso coelhinho! Isto é um
despropósito. Nós, os lobos, é que somos os genuínos predadores
naturais dos coelhos. Aliás, chega de conversa...
- Desculpe-me, mas se você quiser eu posso apresentar a minha prova
experimental. Você gostaria de acompanhar-me à minha toca?
O lobo não consegue acreditar na sua boa sorte.
Ambos desaparecem toca adentro. Alguns instantes depois se ouvem uivos
desesperados, ruídos de mastigação e ... silêncio. Mais uma vez o
coelho regressa sozinho, impassível, e volta ao trabalho de redacção
da sua tese, como se nada tivesse acontecido.
Dentro da toca do coelho vê-se uma enorme pilha de ossos
ensangüentados e a pelagem de diversas ex-raposas e, ao lado desta,
outra pilha ainda maior de ossos e restos mortais daquilo que um dia
foram lobos.
Ao centro das duas pilhas de ossos, um enorme leão, satisfeito, bem
alimentado, a palitar os dentes.

MORAL DA HISTÓRIA:
1.Não importa quão absurdo é o tema da sua tese;
2.Não importa se você não tem o mínimo fundamento científico;
3.Não importa se as suas experiências nunca cheguem a provar sua teoria;
4.Não importa nem mesmo se as suas idéias vão contra o mais óbvio dos
conceitos lógicos...
5. O que importa é

QUEM É O SEU PADRINHO!!!!