sábado, dezembro 10, 2005

A corrida de 100 metros

Que triste espectaculo seria uma corrida de 100 metros baseada na minha vida...

Linha de partida, eu contra várias versões de mim próprio. Largada a corrida pelo tiro de partida arrancava em grande estilo, só para tropeçar nos meus atacadores ao fim de poucos metros, escorregava, caía com grande estrondo, mas conseguia equilibrar-me com alguma espectacularidade, e retomar a corrida antes de perder muito balanço. Concentrava-me na corrida, sentia a adrenalina a fazer o coração bombear fortemente o sangue para os meus musculos, punha todo o meu empenho em cada passada, toda a minha força de vontade canalizada para o objectivo que me obssecava os sentidos. Corria desalmadamente até estar já próximo da meta. Incrivelmente, achava-me em primeiro e o único resultado possivel parecia ser a vitória.
Quando me prepavara já para levantar os braços e receber em jubilo as aclamações do público, um dos meus adversários gritava:" Tás mas é parvo, alguma vez tu vais conseguir isso, tudo na tua imaginação meu caro, se a meta tivesse já ai já tinhas chocado com ela". Desamparado pela surpresa, em vez de atravessar a meta corria para o lado, chocava contra os meus alter-egos aversários, caíamos todos numa amalgama de pernas e braços, a escassos centimetros da meta, sem nunca lá chegar... Nas bancadas o público não sabia se deveria rir ou chorar.

O mais estranho é que só quando começo a achar que vou perder a corrida é que a calma se apodera de mim como um porto de abrigo. Era tão mais fácil se os resultados da corrida saissem no jornal do dia anterior...

3 comentários:

Lótus Azul disse...

No meu exame de condução aconteceu exactamente o mesmo: Sou parei de fazer disparates quando me convenci que tinha chumbado!

Pedro disse...

... nos exames eu costumo sair-me bem, o meu problema é quando é algo mais a sério!

anababeli disse...

Pois, mas aquilo que está por trás da atitude é exactamente o mesmo: O receio de falhar!