terça-feira, janeiro 10, 2006


Apresento-vos o maçarico-de-bico-direito, Limosa para os amigos. Os próximos quatro anos da minha vida vão ser dedicados, em grande medida, a estes simpáticos bicharocos.
Passam o Verão no norte da Europa, no Inverno vêm para sul, alguns ficam pela Península Ibérica, outros continuam para sul até aos campos alagadiços da África Ocidental, em países exóticos como o Mali, o Níger e o Senegal.
Comem bichezas várias, alguns têm uma predilecção por minhocas-da-pesca e lambujinhas, enquanto outros com gostos mais requintados, perferem ir comer bagos de arroz aos arrozais, por exemplo, do Sado.
No Inverno são um bocado cinzentões, mas na Primavera enchem-se de magnifícos matizados entre o laranja, o ocre e o vermelho-ferrugem, em preparação para a época de reprodução, em que têm de impressionar os seus parceiros com as suas belas plumagens. Têm o estranho hábito de escolher um parceiro para toda a vida, tão incomum no reino animal, contudo, passam o Inverno separados, por vezes por milhares de quilómetros, mas de alguma forma os dois membros de cada casal arranjam maneira de voltar todos os anos ao mesmo prado para originarem mais uma ninhada de fofinhas bolas de penugem acastanhada.
Poucos meses depois de nascerem, partem para a sua primeira migração, em percursos de milhares de quilometros em busca do bom tempo, só para no ano seguinte voltarem, precisos como pombos correio ao local onde nasceram para continuarem o legado da sua espécie.
Na Holanda, pátria da maior população desta espécie, chamam-lhes "Grutto", um nome que corresponde à onomatopeia da sua vocalização típica nos territórios de reprodução. Por isso gosto mais desta nome. Despeço-me para voltar ao meu trabalho e estudar estes gruttos que são uns animais fantásticos.

6 comentários:

Lótus Azul disse...

grutto, grutto, grutto!

É bem fixe esta ave...

Diz-me uma coisa: esta relação monogâmica implica fidelidade a 100% ou os casais dão umas voltinhas por fora durante o tempo que estão separados?

Fiquei curiosa... e é um dado importante se estivermos apostados em fazer comparações com os seres humanos...

Fi disse...

Bem bonito o bicho... curiosidade: a foto é tua?

Pedro disse...

Esta foto, tal como 99% das que eu aqui ponho são tiradas do google, fazendo uma busca por imagens!

Fi, és a Fi que eu estou a pensar? Se sim um grande beijinho e mto bem aparecida sejas!


Lótus, não sei se os bichos são 100% fieis, mas provavelmente não, acho que excluindo os louva-deus e as viuvas negras em que o macho é morto "no acto" não deve haver nenhuma espécie em que isso aconteça. Mas quase que aposto que os gruttos são bem mais fieis que os humanos!

Paulo disse...

para serem mais fiéis que os humanos não é preciso muito...

Pedro disse...

Já agora mais uma achega. Estive agora a ler um artigo que os dois membros de um casal, apesar de passarem o Inverno separados por centenas ou milhares de quilometros conseguem de alguma forma chegar no mesmo dia ao local de reprodução.

Já alguns humanos, mesmo na era dos telemóveis, não são capazes de chegar a horas a uma qualquer combinação...

Paulo disse...

sim, ele há pessoas que são capazes de chegar horas atrasados a um encontro qualquer e ainda ficar com aquela cara de quem não fez nada de especial.

fico piurso com isso. eu que odeio atrasar-me.

o GPS das aves é claramente mais fiável que o GPS humano