segunda-feira, setembro 11, 2006

9-11, se é que foi mesmo a 11 e em Setembro...

Fazem hoje cinco anos sobre o dia em que todos passamos longos momentos de descrença enquanto olhavamos para a televisão e viamos as imagens aparentemente irreais dos aviões a embaterem nas torres gémeas que, pouco depois, ruiam de forma trágica e espectacular.
Em cinco anos, tornou-se óbvio que os grandes beneficiados pela tragédia desse dia foram os ultra-conservadores republicanos que controlam o governo americano. Re-elegeram o pior presidente da história do país, obtiveram carta branca para atacarem todo e qualquer país que lhes apeteça, reduziram as liberdades do seu povo de uma forma agressiva e perfeitamente fascista, conseguiram mesmo excluir-se às regras dos direitos humanos.
Passados cinco anos, muita água correu sobre muitas pontes, muito se disse e muito se fez. Mas alguns dados não deixam de ser curiosos:
No célere escândalo Monica Lewinski as investigações oficiais custaram 200 milhões de dólares, para investigar o maior atentado de todos os tempos só foram gastos 20 milhões...
Ao longo da história, vários edificios sofreram colisões de aviões, muitos sofreram graves incêndios, nenhum ruiu, muito menos da forma perfeita e cuidadosa com que abateram as torres gémeas...
Um terceiro edificio do WTC também ruíu, nunca ninguém explicou porquê...
Três dias antes dos atentados, a autoridade portuária de Nova Iorque, dona dos edificios, segurou as torres com um seguro no valor de quase 3 mil milhões de dólares, numa apólice que claramente incluía o caso de terrorismo...
A semana anterior aos atentados foi a semana em que mais acções da Boeing (empresa construtora de todos os aviões usados nos atentados) foram transaccionadas, desde que a empresa existe...
Em poucos dias sabia-se já a identidade de todos os terroristas envolvidos no ataque e até, imagine-se, foi encontrado o passaporte de um deles nos destroços das torres, apesar de nem as caixas negras dos aviões terem resistido ao embate...
No pentágono, o avião embateu na única secção do edifício que tinha sofrido obras para resistir a ataques terroristas...
Apesar do buraco na fachado do pentágono ser ridiculamente inferior às dimenssões de um Boeing 757, curiosamente nenhuma parte da fuselagem do avião foi encontrada no exterior...
O piloto desse avião, que fez a manobra mais complexa desse dia levando o avião a descer quase a pique para depois o fazer razar o chão até embater no edificio de poucos andares tinha aprendido a pilotar um mês antes e segundo o seu instrutor, não tinha muito jeito para a coisa...
No local onde caíu o quarto avião, não foram encontrados cadáveres e quase nenhns destroços...
Daqui podemos concluír muitas coisas. Que passaportes são mais resistentes do que aviões inteiros; que os terroristas são mais facilmente identificados depois de mortos; que os maiores edificios do mundo são também os mais frágeis; que os aviões são como os gatos, capazes de se expremer através de aberturas do tamanho da sua cabeça; que qualquer pessoa com meia duzia de aulas pode pilotar um jacto de passageiros; e acima de todo que nos andam a contar tantas mentiras à cerca deste assunto que eu arriscaria dizer que a única verdade foi a data do incidente, o tal 11 de Setembro.

4 comentários:

Paulo disse...

sim, com estes gajos nunca se sabe. quem mente descaradamente acerca de armas de destruição maciça noutros países é capaz disso e de muito mais no próprio.

magarça disse...

O no meio de tanta homenagem e evocação ao 9/11, esquecem-se de referir o número de vítimas civis no Afeganistão e no Iraque, desde a "intervenção dos EUA.

Zorze disse...

e o 11 de Setembro de 73

Pedro disse...

sim camaraa zorze, também esse foi um golpe bem orquestrado pelos americanos em nome da sua eterna busca pela democracia e liberdade mundiais. Os 20.000 chilenos "apagados" pelo regime do Pinochet que o digam...