segunda-feira, outubro 18, 2010

Censos de aves necrofagas e não só (cont.)

Como tinha escrito há dias, fizemos o primeiro censo de aves necrófagas no âmbito do projecto LIFE em que estou actualmente a trabalhar. Foram detectadas 13 aves de rapinas, sendo a mais abundante na região estudada o Grifo Gyps fulvus, que ultrapassou os 200 individiduos na ZPE de Moura-Mourão-Barrancos e os 140 individuos na ZPE do Vale do Guadiana. Entre as outras aves detectadas são de realçar os 7-10 abutres-pretos Aegypius monachus, os quase 20 butios Buteo buteo e as quase 10 águias-de-Bonelli Aquila fasciata e as 5-6 águias-reais Aquila chrysaetus. Foram ainda detectados milhafres-reais Milvus milvus, 1 milhafres-preto Milvus migrans, 1 aguias-cobreira Circaetus gallicus, 1 tartaranhão-azulado Circus cyaneus, vários peneireiros-cinzentos Elanus caeruleus e gaviões Accipiter nisus, cerca de 15 peneireiros-comuns Falco tinnunculus e 1 esmerilhão Falco columbarius.
Claro que neste conjunto não estão apenas aves necrófagas, mas as aves de rapina são um grupo de grande importância ecológica, por estarem no topo da cadeia alimentar e como tal serem essenciais para o equilíbrio do meio natural, sendo por isso importante recolher informação sobre a sua abundância e distribuição.
Foram ainda detectadas algumas aves de outros grupos, incluindo 4-7 cegonhas-negras ciconia nigra, vários corvos Corvus corax e mais de 40 alcaravões Burhinus oedicnemus.

1 comentário:

Zeca Nivete disse...

Isso é que é rapinarum coelhorum!!
Descobri o teu blog por acaso e curti a brava ler esses pensamentos!
Grande abraco e da-le no abutre!!