sexta-feira, agosto 11, 2006

Karaoke

Como é bem sabido, o grande pináculo da tecnologia nipónica, o marco da evolução oriental que mais influenciou o Ocidente, foi o Karaoke.
Ora o Karaoke, como conceito, não me incomoda. Até acho alguma piada, dá sempre espaço para muitas gargalhadas e diversão e, ocasionalmente, até se descobre um bom cantor(a) à conta disso. Agora o que me incomoda, e incomoda profundamente, é que as pessoas que cantam nos Karaokes escolhem sempre, sempre, sempre as mesmas músicas.
Não venham com a desculpa que é pela falta de escolha, porque eu já vi as listas e são intermináveis, mas, por qualquers motivo, não à noite de Karaoke que não tenha: dois ou três prantos do Paulo Gonzo, o "Telepatia" da Lara Li, duas músicas da Dulce Pontes, diversas aberrações de cantores brasileiros com nomes como Beto, Marcos ou Carlinhos, alguma coisa dos Delfins e pelo menos uma música da Barbara Streisand...
Depois à outros clássicos do Karaoke já mais do meu agrado, coisas dos Xutos, algumas músicas mais recentes estilo Cold Play, a ocasional balada de algum monstro sagrado do Rock, como o "Stairway to Heaven" dos Led Zeppelin (Raúl esta foi a pensar em ti!) e todos os clássicos da nossa juventude, sem esquecer o mítico e inevitável "Dunas" dos GNR ou o "Anzol" dos Rádio Macau.
Já agora, gostaria de relembrar a alguns amigos das Caldas o triste espectaculo que foi um certo trio à já uns anos atrás, a tentar cantar o "Não sou o Único" dos Xutos & Pontapés... Só posso dizer uma coisa: "Tim, Zé Pedro e companhia, perdoem-nos!"

3 comentários:

Paulo disse...

o stairway to heaven do raul é (no mínimo) mítico. e não pelas melhores razões...

Filipe disse...

Ai não?
O que é que eu não sei e devia saber???

Pedro disse...

ah o Starirway to Heaven do Raúl...
Escreviam-se aqui paginas e paginas sobre isso.

No essencial, fazia um bom anuncio da Duracell: Dura, e dura, e dura, e dura, e dura...