quarta-feira, agosto 23, 2006

Benfica 3 - Austria Viena 0

Ontem rumei à catedral para ver o jogo entre o Benfica e a Associação Gay de Viena... Há não era? Então mas... com aqueles equipamentos lilases pensei... Pois exacto, era o Austria de Viena, mas de qualquer forma, que jogavam como umas meninas lá isso jogavam.
De qualquer forma o Benfica esteve à altura e despachou os adversários austriacos com um 3-0 bem descansado. Mas a graça de ir ver um jogo ao estádio ultrapassa largamente o mero acto de ver um jogo de futebol. A piada é mesmo o ambiente. Em primeiro lugar, em lugar algum do mundo se vê tanta xungaria e mau aspecto como entre os adeptos do Benfica, onde o mau gosto parece ser a filosofia de vida. Mas tirando isso, a irmandade que se gera entre adeptos do mesmo clube é algo de muito engraçado. Só porque o tipo que está ao nosso lado se veste também de vermelho, isso torna-se suficiente para falarmos como se fossemos amigos de longa data. Depois, o tipo que está sentado na cadeira atrás, que por sinal tem ar de ser um traficante de droga ali da Amadora mantém-nos informados com informações constantes sobre quem vai jogar, quem não vai jogar, porque não vão jogar, quem é o árbitro, e ainda fala sobre os últimos detalhes da vida pessoal de metade da equipa, treinador incluído. Ao que parece a filha do Fernando Santos (para quem não sabe é o actual treinador do Benfica) casou-se recentemente...
Mas é quando começa o jogo que o espectaculo começa. A cada salva de palmas por mais uma boa finta, ou defesa esforçada, segue-se um chorrilho de inpropérios dedicados ao imbecil do defesa que perdeu a bola a meio campo. A cada minuto os jogadores passam de deuses a bestas. Mas no fundo, o que todo o adepto está realmente ali para fazer é: insultar o árbitro. Não interessa nada se a decisão dele foi ou não correcta, se decidiu contra nós tem de ser crucificado logo ali. Com pérolas como: "abre os olhos ó morcego do car...", "não vias a falta nem que ta enfiasse pelo nariz a cima" ou "amarelo? amarelo ficavas tu se eu te pusesse as mãos em cima" cada vez mais cresce em mim a vontade de escrever um livro dedicado a essa verdadeira arte portuguesa que é o insulto ao árbitro. Já estou a imaginar o título e tudo: "O impropério no futebol português, a arte esquecida"

4 comentários:

Aisling disse...

Seria o primeiro do Top... Sem dúvidas e depois ainda escreveriam livros intitulados: 'O código do impropério no futebol português, a arte esquecida...' 'Os segredos do impropério no futebol português, a arte esquecida' e etc, etc... ;)

Zorze disse...

"que por sinal tem ar de ser um traficante de droga ali da Amadora"

"ali da Amadora"

??

Por que não o Cacém, Benfica ou Cascais? Acredita que na Amadora existem muitos bons lugares para diferentes propósitos!

Abraço!

Pedro disse...

Sim Zorze, é verdade. Até poderia ter escrito do Cacém... Mas os traficantes de cascais e outros sitios mais finos já têm um aspecto diferente... Talvez sejam piores que o gajo da Amadora, mas aqui o que estava e causa era o aspecto da peça!

Zorze disse...

Eu sei! Estava só a arranjar confusão!