quarta-feira, setembro 08, 2010

Limpeza natural

Os abutres podem não ser dos animais mais atraentes à face da terra. Há até quem os ache repugnantes. Mas esses, penso, são aqueles que nunca viram uma destas majestosas aves a planar lá no alto sobre o Alentejo profundo...

Foto de Rafa Palomo (Em cima um grifo, abaixo um abutre-preto)

Mais interessante é o importante papel destes animais na higiene e bom funcionamento dos ecossistemas. Ao alimentarem-se de animais mortos, os abutres garantem um elo essencial das redes tróficas, recuperando a energia acumulado nesses cadáveres que volta assim a circular na cadeia alimentar. Tem-se vindo a decobrir também o seu papel como agentes de limpeza e de desinfecção, evitando a propagação de doenças nos meios naturais.
O estômago dos abutres tem um pH extremamente ácido (entre 1 e 2) que destrói virtualmente todos os patogénicos presentes nas carcaças de que se alimentam. Os ácidos digestivos não são o único factor que garante que os abutres evitem a propagação de doenças. Estas aves têm também potentes anticorpos capazes de eliminar até as tóxinas mais potentes, como as do botulismo, antrax e cólera. Finalmente, o trato urinário destes animais abre directamente sobre as suas pernas, garantindo que a sua urina, também ela extremamente ácida, funcione como agente esterilizante, matando as bactérias que as aves possam acumular nas patas ao caminhar sobre as carcaças de que se alimentam.

Assim, a solução de largar carcaças animais no campo, para que os abutres as eliminem naturalmente, é não só a forma mais eficaz, mas também aquela que minimiza o risco de transmissão de doenças no gado e que reduz os riscos para a saúde pública. Infelizmente, a legislação europeia tem vindo a destruir este equilíbrio natural, proibindo o abandono de carcaças animais no campo e obrigando a que estas sejam incineradas, com todos os riscos acrescidos de propagação de doenças que o transporte de cadáveres acarreta. Desta forma, a UE põe em risco a sobrevivência dos abutres, que são hoje ameaçados acima de tudo pela falta de alimento, e aumenta o risco de propagação de doenças, tudo em nome de uma suposta "higiene" que só pode fazer sentido nas mentes de mentecaptos de fato e gravata que tomam decisões numa secretária em Londres, Bruxelas ou Paris sem nunca terem posto um dedo que fosse fora dos seus gabinetes minuciosamente desinfectado por uma qualquer emigrante ilegal que eles sonham expulsar da Europa. Tudo em nome de uma Europa melhor...

2 comentários:

smallworld disse...

sao animais fascinantes! provavelmente sabes que no Tibete os funerais tradicionais consistem em deixar o corpo num descampado para ser comido pelos abutres. Reciclagem total :) Concordo inteiramente com o teu ponto de vista sobre a legislacao europeia, embora ache que a legislacao tem boas intencoes... E se escrevessem uma carta ao Parlamento Europeu a pedir que considerassem esta opcao? Talvez o maior problema seja que a quantidade de cadaveres a eliminar eh demasiado grande para os abutres existentes darem conta do recado.

Pedro Lourenço disse...

Estamos a trabalhar nesse sentido, de relaxar um pouco a legislação nacional e Europeia para tentar ao menos permitir aos abutres sobreviver.
Mas a crescente higienização do mundo em que vivemos paree ser uma inevitabilidade, com todas as consequencias ambientais, psiquiatricas e de saude publica que se vão descobrindo aos poucos...