terça-feira, abril 12, 2005

Em louvor da Migraspirina

A dor de cabeça é sem dúvida um dos grandes flegelos da humanidade. Ainda me lembro da primeira vez que tive uma dor de cabeça, a forma incredula como começei a sentir aquela dor, aparentemente sem origem, que não parava por mais que eu me mexesse, deitasse, gritasse ou fechasse os olhos. Aquela dor que só crescia, crescia sem motivo óbvio até me levar até às lágrimas. Na altura tinha uns 8 anos.
Hoje as dores de cabeça são companheiras bem conhecidas, é fácil prever com antecedência quando elas vêm e até prever a força delas, mas continuam a ser uma tortura atroz quando decidem atacar em força. É por isso que quero louvar o invertor da Migraspirina, quem quer que tenha sido!
Não sei qual é o principio activo do medicamento, nem tão pouco o mecanismo de acção, mas por muito forte que seja a enxaqueca, aquelas duas pastilhas efeverescentes pela goela abaixo pôem-nos como novos em menos de meia hora. Fantástico!

Espero que este venha a ser um dos medicamentos disponíveis nos hipermercados. Sinceramente se eu tiver de andar a percorrer a cidade em busca de uma farmácia de serviço com uma dor de cabeça "daquelas" em cima, eu não respondo pelos meus actos quando finalmente encontrar a farmácia e a "médica" farmacêutica me disser com uma voz de avózinha: "Está esgotado!"

2 comentários:

Filipe disse...

Nunca experimentei, mas fica a nota... quando puder vou comprar para ver se tens razão. Se não tiverwes mando-te a factura da farmácia e fico à espera de reembolso!!

FRamos disse...

Caro Blogger;
Como o compreendo; eu tenho enxaquecas, e tomo sempre uma migraspirina. É o meu "deus" salvador do meu dia, porque chego a ter de ficar isolado e não poder fazer rigosamente nada.
Um agradecimento à grandiosa BAYER!