domingo, abril 27, 2008

Não gosto de ver futebol com gajas…

Antes de explorar o assunto, convém esclarecer desde já que aprecio, e muito, a companhia das ditas. Aliás há duas fortes razões para esse meu apreço e ambas se localizam aproximadamente um palmo abaixo do rosto delas… Não, estou a brincar, há um terceiro motivo, a companhia delas é simplesmente agradável, como que um bálsamo neste mundo tresloucado. Diz a ciência que eu padeço de algo chamado heterossexualidade, algo que nos faz ter uma preferência pelo sexo oposto. É esta questão do “oposto” que depois trás tantas chatices… Mas enfim, gosto bastante de ser como sou e todas as três razões antes referidas continuam válidas neste ponto!

Depois deste longo parêntesis, ataquemos então o âmago da questão. Não gosto de ver futebol com gajas. Porquê? É muito simples, por causa do Cristiano Ronaldo. Aproveito para abrir aqui um novo parêntesis, aliás antes do segundo, um terceiro, tenho um bocado a mania de exagerar o número de parêntesis que abro em cada texto. Mas o que o segundo parêntesis queria dizer é que admiro os dotes futebolísticos do Cristiano Ronaldo, gosto de ver aquelas jogadas de génio com que o miúdo maltrata os defesas adversários e gosto muito do agradável hábito que ele tem de se fartar de marcar golos ao serviço da selecção nacional. O problema é que noto por vezes, quando assisto a um jogo da selecção na companhia de mulheres, que elas sofrem de dislexia futebolística. Ora vou passar a explicar. Os pontos de interesse do Cristiano Ronaldo são o que ele faz com a bola com as porções do corpo dele localizadas essencialmente abaixo dos tornozelos e acima da testa, e acaba aqui aquilo que interessa a um homem no Cristiano Ronaldo. Já as mulheres tendem a interessar-se sobretudo por tudo o que o rapaz tem entre a testa e os tornozelos, e dir-se-ia mesmo que dispensam a presença de uma bola de futebol para apreciarem olhar para ele. Absurdo!

Mas até aqui até estaria tudo bem, se elas se coibissem de fazer comentários sobre as tais partes do corpo dele que ficam entre a testa e os tornozelos, em que, para ser sincero, nunca reparei com atenção. Compreendam uma coisa, os comentários que eu quero ouvir durante um jogo de futebol referem-se a: opiniões a cerca do aspecto e ramo profissional da mãe do árbitro, comentários semelhantes a cerca das mães dos jogadores e equipas técnicas das equipas adversárias, referências à injustiça das decisões da equipa de arbitragem no que se refere à marcação de faltas, foras de jogo e, acima de tudo, penaltis contra a minha equipa, comentários embevecidos sobre jogadas e golos magistrais dos jogadores da equipa que estou a apoiar e, finalmente, toda e qualquer referência ao facto óbvio e inquestionável de o Benfica ser a melhor equipa do mundo e, provavelmente, do Universo. Tudo o que esteja for deste âmbito e, acima de tudo, todo e qualquer comentário sobre as pernas, braços, peito e afins partes supérfluas do corpo do Cristiano Ronaldo estragam toda a experiência de assistir a um jogo de futebol.

Porquê? Não, não é uma questão de inveja. É antes pena de um jovem na flor da idade. É óbvio, para mim, que eu sou muitíssimo mais atraente do que o Cristiano Ronaldo, assim, tendo o bem dele como interesse máximo, acho infelizes todos esses comentários que, a algum dia chegarem aos ouvidos dele o poderão induzir em erro acerca da opinião que as mulheres têm dele, com consequências catastróficas para o seu futuro como jogador chave da selecção nacional. E tenho dito.

4 comentários:

Gemini disse...

Pois, pois... Eu também acho que ele deveria sofrer imenso... Felizmente, ele tem tanto dinheiro que umas sessões de terapia não serão problema... O que estou para aqui a dizer?! Ele até podia comprar a terapeuta e um cérebro novo!

Queirosene disse...

lol,excelente post. (só não concordo com essa do Benfica ser o melhor e não-sei-quê). Quanto a seres mais atraente que o C.R. pois... hmmm é possível, não sei, também padeço dessa tal de heterossexualidade. Mas assim à partida, pois pá, acho que não. Nem tu nem eu.

quim disse...

Bem, ele há gajas e gajas. Quando estão ao nosso lado no sofá partilho inteiramente esses teus sentimentos. Mas quando estão sentadas no estádio, ou pior ainda, quando estão sentadas em cima de uma pedra a ver um jogo num campo pelado, aí a coisa muda de figura. Muda bastante de figura... É vê-las a insultarem tudo e todos, a usarem o vernáculo mais vernáculo que pode existir e ainda a ameaçarem quem pacatamente vai à bola, com uma mala, que lá dentro só pode ter pedras dado o ar perigoso que aquilo tem. E tudo isto se agrava nos casos especiais em que é o próprio filho que está a jogar e que a dada altura leva uma cacetada de um adversário. Não queiram estar ao lado de uma destas senhoras em tal situação. Fujam e depressa dali. Aliás, deve ser por isso que os respectivos maridos preferem alhear-se completamente do jogo e ficar no bar a afogar as mágoas...

Pedro disse...

Quim pa, fizeste-me lembrar os miticos jogos das equipas juniores do Caldas no campo da Quinta da Boneca, onde velhos, geralmente avos dos jogadores se envolviam em cenas miticas de pugilato!!! Alias, aqui o queirosene pode confirmar ja que tb ele assistiu a esses belos espectaculos nas bancadas desse grande estadio Caldense