sexta-feira, fevereiro 08, 2008

Eugénio de Andrade

Ser poeta é ser mais alto, maior do que os homens, dizia Florbela Espanca. Não concordo, ser poeta é ser mais pequeno, como uma criança de idade tenra, e ter em si o coração de uma criança que compreende as emoções no seu caso não por ser inocênte, mas por ter o dom de as compreender e saber exprimir de uma forma que muitos tentam fazer sem conseguir.

É isso que eu leio neste poema do Eugénio de Andrade, que um amigo me enviou um dia destes:


Há dias

Há dias em que julgamos
que todo o lixo do mundo
nos cai em cima
depois ao chegarmos à varanda avistamos
as crianças correndo no molhe
enquanto cantam não lhes sei o nome
uma ou outra parece-me comigo
quero eu dizer :
com o que fui
quando cheguei a ser luminosa
presença da graça
ou da alegria
um sorriso abre-se então
num verão antigo
e dura
dura ainda.

Eugénio de Andrade

5 comentários:

Quim Tapisso disse...

Olha para este poema e tento perceber a mensagem. Olho para a data e sorriu. Aqui tao longe nesta terra gelada sinto que ganhei o dia. Obrigado Pedro!

Pedro disse...

E para te garantir outro sorriso:

Taça de Portugal

Benfica 4 - Paços de ferreira 1

Jogão do Rui Costa que quando joga parece que os anos não passaram por ele...

quim tapisso disse...

:) Fica desde ja combinada uma ida ao Jamor!!!

Inês disse...

Que poema sublime do grande mestre! E para que o sorriso dure sempre, acrescento duas frases do biólogo contador de estórias: "Sou feliz só por preguiça. A infelicidade dá uma trabalheira pior que doença" Mia Couto
Beijinhos

Pedro disse...

Gostei, gostei!